Início do conteúdo

28 de Junho de 2017

“Menos pressa em relação a resultados e mais urgência em questão de diálogo e reflexão, em relação às atividades profissionais”

foto_01.jpg

Breno Strüssmann, facilitador da Mercur, falou sobre o modelo de gestão da empresa a empresários de Porto Alegre

Como a Mercur tem transformado as suas relações através de uma gestão colaborativa e sustentável? Este foi o questionamento respondido pelo facilitador da empresa, Breno Renato Strüssmann, em uma palestra no Bom Dia Associado, da Associação Comercial de Porto Alegre (ACPA), na manhã desta terça-feira (27).

A apresentação iniciou com a pergunta que desencadeou uma série de mudanças nos direcionadores da empresa nos últimos anos: você já pensou como seria o mundo se você não existisse mais? Na sequência, Breno falou sobre as atitudes que fazem da Mercur uma empresa comprometida com a construção de relacionamentos, que valorizam a vida, a partir de iniciativas locais de bem-estar.

De insumos renováveis a carbono neutro, ressaltou que a empresa passou a avaliar que cada atitude tomada tem uma consequência. “Hoje somos uma empresa carbono neutro. Fazemos a leitura da pegada de carbono do deslocamento dos colaboradores até a fábrica e das transportadoras que levam nossos produtos, avaliamos rotas que sejam melhores também para os motoristas, para que não se coloquem em situação de risco, e aquilo que não conseguimos minimizar, atuamos por meio da compensação”, ressaltou.

Neste mesmo ritmo a empresa vem substituindo as importações pela valorização e investimento em negócios locais. “Para deixar de fazer para e fazer com as pessoas você tem que estar próximo”, conta o facilitador. Com projetos que buscam gerar ocupação e renda local, a Mercur promove para todos, na empresa, uma feira orgânica quinzenal em que os colaboradores levam para vender aos colegas algum produto que desenvolvam em suas propriedades.

As práticas ativas de logística reversa, de mercado com restrições para negócios e o fato de que a empresa busca, desde 2009, reduzir a diferença entre o menor e maior salário, são fatos que ainda causam estranhamento a algumas pessoas, mas também inspiram mudanças. Para Paulo Afonso Pereira, presidente da ACPA, o conteúdo da palestra foi bastante profundo. “Gostaríamos muito que tudo isso pudesse ser condensado e a gente tomasse uma pílula e mudasse na hora. Mas aqui está a prova de que com dedicação sempre é possível um início, que começa por entender qual é o fim do nosso trabalho e o quanto ele impacta, para pensar atitudes e tomar iniciativas de mudança”, observa.

Hoje o faturamento anual da Mercur é um pouco menor do que em 2009, quando iniciou todas as mudanças, mas de acordo com Breno, isto é secundário e o que interessa mesmo é o desenvolvimento das pessoas. “Eu diria para vir nos visitar e perguntar a elas sobre isto. Quanto mais nós qualificamos, mais agregamos valor e por consequência temos um resultado que é bom para todos, para o meio ambiente e também para os resultados da organização. Felizmente isso tem acontecido. Deveríamos ter menos pressa com relação a resultados e lucros e mais urgência em questão de diálogo e reflexão em relação as nossas atividades profissionais.”

Educação com diálogo entre todas as partes para gerar aprendizado

Desde que começou a repensar seu papel enquanto indústria, a Mercur passou a buscar formas de entender as reais necessidades das pessoas e disponibilizar seu conhecimento e estrutura para oferecer acesso a serviços que tenham significado para todos. Por isso também repensou a atuação na área de educação e abriu mão dos produtos licenciados que apenas incentivavam o consumo infantil. A partir disso, iniciou um relacionamento com diferentes instituições de educação e escolas de Santa Cruz do Sul, onde está localizada e daí surgiu o Diversidade na Rua (diversidadenarua.cc) , um projeto que hoje conta com parceiros e pessoas de todo o País que desejam um mundo mais inteligente e afetivo para acolher as pessoas com deficiência através da acessibilidade e inclusão.

Por fim, Breno também falou sobre o Laboratório de Inovação Social, um espaço de aprendizagem criado pela empresa para promover a educação e o diálogo. “Quando começamos a conversar um com o outro estamos desenvolvendo um processo de aprendizagem. O Lab é um ambiente onde podemos ter conversas significativas, pararmos para conversar, para refletir, para aprender e ensinar. Isto é possível também no ambiente empresarial.”


Informações para a Imprensa:
Engaje Comunicação Inteligente
Fernanda Dreier
(51) 9 9550.8614
fernanda.dreier@engajecomunicacao.com 

Galeria da notícia