Início do conteúdo

15 de Março de 2018

Debate online aborda questões de autoestima, autonomia e protagonismo

Atividade é promovida pelo projeto Diversidade na Rua, da Mercur, uma rede criada para promover o conhecimento e a troca de experiências sobre a diversidade humana

Card_debate_AntonioLuiz (1).png

Antonio Luiz Pereira nasceu em um berço de superproteção. Até o fim do ensino fundamental, nunca precisou lidar com conflitos, pois a família cuidava de tudo para ele. Quando percebeu que precisaria lidar com o bullying e os relacionamentos amorosos, despertou para algo que até então não fazia parte de sua vida: a busca por autonomia.

Ele tem sequela de mielomeningocele e hoje, com 31 anos, quando está se formando como Educador Físico, acredita que o papel dos parentes e pessoas mais próximas é fundamental na formação da personalidade e da autoestima da pessoa com deficiência, mas que se peca muito mais pelo excesso do que pela falta quando há superproteção.

O jovem profissional, que já compartilhou um pouco de sua história com a rede do Diversidade na Rua, foi convidado a ser o próximo mediador do Debate Aberto do projeto da Mercur, que acontece no dia 19 de março, a partir das 16h. O objetivo é falar e compartilhar experiências sobre autoestima, autonomia e protagonismo na vida da pessoa com deficiência.

“É muito importante que os pais e pessoas próximas sejam orientadas a amar e zelar pela pessoa com deficiência, mas que não a poupem das interações sociais desde a tenra idade, pois a condição excepcional já gera um estigma, entregando a ela uma série de características "virtuais" contidas no estigma. Em contrapartida, quando orientada e preparada para aceitar a sua condição, se amar e se posicionar no mundo como uma pessoa plena e digna de ter opinião, defeitos e virtudes, terá muito mais condições e ferramentas para lidar com o estigma e agir no sentido da superação da objetificação da pessoa com deficiência”, opina.

Ele percebe que a pessoa com deficiência tende a se defender muito, tenta esconder a deficiência, tem vergonha e até se blinda dos outros. Por este motivo acredita no compartilhamento de experiências e na vulnerabilidade, que é o princípio da conexão entre as pessoas. “Precisamos dizer o que sentimos, dizer claramente e sem medo do que vem a seguir, é um meio interessante de ser percebido como indivíduo dotado das mesmas características dos demais, ou seja, um ser humano com as suas fortalezas e fraquezas. A partir da confiança em dividir os nossos sentimentos é possível que o outro também dívida e perceba a nossa humanidade e não nos objetifique e quebre a corrente do estigma”, reflete.

O formato do debate é como o de um fórum: as questões são lançadas pelos participantes e todas as respostas podem ser replicadas. Para interagir, é preciso fazer um cadastro rápido e simples. Por ser aberto ao público, toda pessoa que tenha interesse pode participar, basta acessar www.diversidadenarua.cc/debate.

Se você quer conhecer melhor o mediador do debate, acesse o link clicável: Empreender por necessidade: como a deficiência exige criatividade e bom humor para promover acessibilidade no Brasil.

SERVIÇO

Debate aberto Diversidade na Rua

Tema: Vida com autoestima, autonomia e protagonismo

Data: 19 de março de 2018

Horário: 16h

Para participar acesse: http://www.diversidadenarua.cc/debate

Se você tem algum tema para sugerir ou gostaria de mediar um Debate Aberto, escreva para a gente: comunicacao@mercur.com.br  

  

Informações para a Imprensa:

Engaje Comunicação Inteligente

Fernanda Dreier

(51) 3378.1136

mercur@engajecomunicacao.com

 

Galeria da notícia