Início do conteúdo

27 de Junho de 2018

Bolsa para água quente é alternativa para o alívio de cólicas menstruais

Conhecer o ciclo menstrual também pode ser uma forma de escapar dos sintomas indesejados do período

segunda_sessao_121.jpg

Foto: Divulgação/Mercur

Você já observou quantos dias tem seu ciclo menstrual? Consegue perceber que seu corpo reage de maneira diferente em cada fase? Sabia que é possível amenizar os sintomas que chegam junto com o período menstrual de forma natural e saudável?

Segundo a antropóloga Naila Andrade, os processos que ocorrem no ciclo menstrual são regidos por uma orquestra perfeita e sincrônica de hormônios. Ela explica que cada mulher apresenta padrões cíclicos de sensações ao longo de seu ciclo menstrual. “De repente você nota uma espinha, inchaço, dor de cabeça, que sempre aparece, mas não se dá conta exatamente quando é. Ou as questões mais sutis, como sentir-se mais intuitiva, amorosa, disponível para as pessoas em certos momentos”, explica.

Por isso é muito importante para cada mulher conhecer seu ciclo menstrual, seu corpo, sua fertilidade e apropriar-se do conhecimento necessário para manter a saúde com autonomia e liberdade. A cólica menstrual, por exemplo, acontece porque o endométrio - tecido que reveste o útero preparando-o para uma possível gestação - aumenta de espessura e quando a fecundação não ocorre, é expelido na forma de sangramento, a menstruação, causando contrações.

Sintomas físicos e emocionais

Para aliviar sintomas físicos que podem ocorrer no período menstrual, como a dor de cabeça, é aconselhável beber bastante água, além de praticar atividades físicas leves. Para a cólica, uma solução alternativa aos remédios para a dor, pode ser a bolsa para água quente. Segundo o fisioterapeuta da Mercur, Regis Severo, o calor proporcionado pela bolsa auxilia no relaxamento dos músculos abdominais, que normalmente apresentam-se tensos devido à contração constante, os chamados espasmos.

segunda_sessao_128.jpg

Foto: Divulgação/Mercur

Ele explica que o calor não altera o fluxo menstrual como se pensa, tampouco tem efeito direto sobre o útero, uma vez que atinge apenas músculos superficiais. “Por conta da postura mais encolhida que as mulheres adotam instintivamente para se proteger da dor, os músculos acabam permanecendo contraídos e tensos, o que gera mais dor, caracterizando um ciclo de DOR – ESPASMO – DOR. O que o calor promove é a quebra desse ciclo, a partir do relaxamento muscular, amenizando a dor abdominal”, esclarece Severo.

Autoconhecimento para buscar alternativas saudáveis

Do ponto de vista biológico, o ciclo menstrual é dividido em dois momentos: fase folicular e fase lútea. A menstruação dá início à fase folicular; já a ovulação é a fase lútea. Naíla, que é uma das autoras da Mandala Lunar, um diário/agenda para anotações dos ciclos femininos em sintonia aos ciclos da Lua e da natureza, explica na publicação que na escola, quando se estuda o ciclo menstrual, geralmente se aprende sobre esse processo de forma muito rápida e de um ponto de vista externo.

Aprofundando, é possível compreender que os hormônios dos ovários, estrogênio e progesterona, são responsáveis por muito do que reverbera no corpo e nas emoções durante o ciclo. Na fase folicular, ainda no período menstrual, há pouco estrogênio e progesterona no corpo e é comum sentir cansaço e fadiga. Já na fase lútea, é comum sentir as emoções com mais intensidade, cansaço, inchaço, aumento de apetite, dor nos seios, acne e diminuição da libido causadas pela ação da progesterona.

00cce32e.jpg

Foto: Ieve Holthausen/Divulgação

“Não se ensina às meninas como ler nossos corpos e as mudanças sutis que ocorrem durante nosso ciclo. É preciso paciência para esperar nosso organismo encontrar seu próprio equilíbrio, ajudando-o através de uma alimentação saudável, exercícios físicos, exposição à luz da Lua e do Sol, assim como outras terapias como acupuntura e o uso das plantas medicinais”, afirma a antropóloga. Se quiser saber mais sobre o trabalho de Naila acesse: https://www.mandalalunar.com.br/.

Informações para a Imprensa:

Engaje Comunicação Inteligente

Carla Zanett e Fernanda Dreier

(51) 3378.1136

mercur@engajecomunicacao.com

 

Galeria da notícia