Início do conteúdo

12 de Julho de 2018

Conhecimento é a chave para prevenir lesões no CrossFit

Órteses podem garantir maior segurança a quem pratica a modalidade

conhecimento_chave_prevenir_lesoes_crossfit.jpg

Joelheira é uma das órteses que pode auxiliar na prevenção de lesões quando a estabilização natural da articulação não está adequada FOTO: Rafaela Piccinin/Divulgação Mercur

Você provavelmente já ouviu falar em CrossFit ou treinamento funcional. Alternativa à tradicional musculação, essas modalidades de treino vêm ganhando cada vez mais adeptos que buscam resistência física, força, agilidade, coordenação e flexibilidade. Os exercícios praticados nesses treinos têm como base os movimentos naturais do próprio corpo, como correr, pular, agachar, empurrar ou puxar. Além disso, também podem ser combinados a pesos, bolas ou elásticos. Para um bom desempenho é preciso que se considere o condicionamento físico de cada um e que se aumente as cargas de força dos exercícios progressivamente.

Segundo o educador físico Ricardo Pavani, que é mestre em reabilitação e inclusão, o aumento na procura deve-se ao fato de ser uma nova modalidade esportiva e que, além dos benefícios físicos, é acolhedora e democrática porque é uma prática esportiva para todas as idades, de crianças a idosos, de todos níveis de condicionamento físico, de sedentários a atletas.

“O interesse por CrossFit surge pela facilidade de adaptação dos exercícios aos objetivos de cada aluno. Os desafios diários e sentimento de pertencimento e coletividade também despertam a atenção. A rotina de exercícios físicos em determinada atividade se torna, em muitos casos, cansativa, por isso os treinos de CrossFit mudam a cada dia, preparando o atleta para toda e qualquer demanda física necessária. Quem procura este exercício encontra um programa de treinamento de força e condicionamento físico geral baseado em movimentos funcionais, feitos em alta intensidade e constantemente variados”, ressalta.

Ele explica que o risco de lesões no CrossFit, quando comparado a outras atividades, é considerado baixo. “Alguns estudos demonstram que a incidência de lesões no CrossFit é menor do que no futebol e na corrida recreacional. Por este motivo a consideramos uma modalidade segura quando comparada a outras”. As lesões podem ocorrer pelo excesso de peso utilizado.

Aptidões físicas trabalhadas pelo CrossFit

Segundo Pavani, movimentos funcionais são aqueles que o preparam para a "vida diária'. Ou seja, movimentos que tenham transferência para as tarefas cotidianas, como brincar com os filhos, carregar as compras, subir escadas. Já os movimentos de alta intensidade são os que provocam aumento na capacidade física e, consequentemente, fazem atingir os objetivos mais rapidamente.

Ele explica que por prezar pela segurança do praticamente, o treinamento pode ser também feito por quem está passando por algum processo de reabilitação. “Todo aluno aprende primeiro a técnica dos movimentos e só em seguida, sob supervisão, e progressivamente, é que este aluno ou atleta começa a colocar carga e aumentar o número de repetições. Se são identificadas falhas que possam comprometer a saúde, orientamos a reduzir a carga e voltar a treinar o movimento mais adequado de cada técnica”, afirma.

Entre as dez aptidões físicas mais trabalhadas pelo CrossFit estão: capacidade cardiorrespiratória, força, estamina (capacidade de resistência), flexibilidade, velocidade, potência, coordenação, agilidade, equilíbrio e precisão.

Para prevenir lesões, o fisioterapeuta da Mercur, Regis Severo, ressalta que o ponto chave é o conhecimento e o respeito aos limites do corpo. “Como em toda prática esportiva, cada pessoa precisa experimentar e observar sua condição física e, a partir daí, junto com o educador físico, continuar seu processo de adaptação e evolução”, comenta.

Órteses como joelheiras, tornozeleiras, entre outras, podem auxiliar na prevenção de lesões quando a estabilização natural da articulação não está adequada. “É necessário estar ciente de que as órteses não devem ser utilizadas isoladamente como forma de melhorar a estabilização e prevenir lesões. O fortalecimento muscular direcionado para músculos-chaves, exercícios proprioceptivos, entre outras condutas devem ser realizadas com acompanhamento de um profissional especializado, que poderá inclusive avaliar a necessidade ou não de utilização das órteses” ressalta Regis.

Informações para a Imprensa:

Engaje Comunicação Inteligente

Carla Zanett e Fernanda Dreier

(51) 3378.1136

mercur@engajecomunicacao.com 

Galeria da notícia