Início do conteúdo

10 de Setembro de 2018

Dor no joelho: uso de órteses e crioterapia podem ajudar

 

Uso de joelheiras ajuda no tratamento de lesões, mas deve sempre seguir a recomendação de um profissional da saúde

release.png

Você conhece ou já teve alguém por perto que sofreu com dores no joelho? Essa é uma queixa bem comum em consultórios médicos e de fisioterapeutas que atuam na área traumatológica e esportiva. Apesar das possíveis causas para a dor - artrose (conhecida popularmente por “desgaste”), lesões em meniscos, ligamentos e músculos, ou simplesmente sobrecarga na articulação por alguma alteração do movimento normal - é importante lembrar que o primeiro passo a dar é a busca por um diagnóstico médico e funcional.

Segundo o fisioterapeuta Regis Severo, que atua na área de Pesquisa e Desenvolvimento da Mercur, o tratamento independente da causa da dor e normalmente envolve exercícios de fortalecimento, correção de padrões anormais de movimento e exercícios de controle motor (capacidade do organismo para se adaptar aos diferentes movimentos e minimizar a sobrecarga nas articulações e suas estruturas). Tudo isso tem por objetivo, auxiliar na melhora da estabilidade e funcionalidade do joelho. “Outro recurso possível em alguns casos para o tratamento e prevenção de lesões é o uso de órteses, como as joelheiras, que tem o objetivo de proporcionar melhora na estabilidade do joelho”, explica. Conforme o profissional, a joelheira minimiza a sobrecarga na articulação e reduz a insegurança para realizar os movimentos, diminuindo os desconfortos.

O papel da joelheira

As joelheiras são chamadas de órteses, pois funcionam como dispositivos que, quando aplicados ao corpo, melhoram a função corporal. Elas podem auxiliar na fase de recuperação da lesão, principalmente quando os exercícios mais dinâmicos como caminhada, corrida, subida e descida de degraus forem introduzidos no tratamento. Conforme o fisioterapeuta, ela deve ser utilizada quando houver instabilidade e insegurança para realizar alguns movimentos, especialmente os que causam dor. “É preciso preparar a articulação para as atividades do dia a dia e, gradualmente, abrir mão do uso da órtese. Entretanto, este processo deve ser orientado pelo profissional que acompanha a reabilitação”, pontua o profissional.

Quais são as órteses recomendadas?

As joelheiras ajustáveis são aquelas que permitem graduar a compressão e permitem o ajuste conforme a necessidade e as características da lesão, bem como as joelheiras tubulares (modelos tradicionais sem ajuste de compressão), são flexíveis e foram desenvolvidas para proporcionar melhor desempenho e conforto, porém mantendo a liberdade de movimentos. Elas oferecem compressão uniforme em torno da articulação.

Estes modelos podem ser encontrados com composições diferentes, destacando-se as confeccionadas em Neoprene. Neste caso, além da estabilidade proporcionada pela compressão, o neoprene proporciona a retenção de calor corporal, mantendo a região aquecida e contribuindo para a flexibilidade de algumas estruturas, como tendões e músculos, e consequentemente auxiliando na redução da dor.

Segundo o fisioterapeuta, são indicadas para lesões leves e em fase final de recuperação, além da prevenção de lesões que podem ocorrer no retorno das atividades. Ele explica que o orifício presente em alguns modelos possibilita maior estabilidade da patela.

Já as órteses com componentes rígidos, por exemplo com dobradiças metálicas, normalmente são recomendadas para quem necessita de maior estabilidade. É o caso de lesões moderadas e graves como torções e rupturas de ligamentos. Regis explica que essas órteses evitam os movimentos excessivos no joelho, ou seja, que fogem ao padrão normal de movimento e que causam dor e danos às estruturas articulares.

Segundo o fisioterapeuta, são indicadas para lesões leves e em fase final de recuperação, além da prevenção de lesões que podem ocorrer no retorno das atividades. Ele explica que o orifício presente em alguns modelos possibilita maior estabilidade da patela. O Neoprene tem uma propriedade de retenção de calor corporal que mantém a região aquecida, o que pode beneficiar para uma melhor flexibilidade do músculo, tendão e ligamento.

O uso da crioterapia para tratamento

Crioterapia significa nada mais, nada menos, que a aplicação do frio como método terapêutico. Para o fisioterapeuta da Mercur, essa conduta terapêutica é uma excelente alternativa para o tratamento de dores e lesões nos joelhos. Ele ressalta que pode ser um tratamento de baixo custo, fácil acesso e grande resolução nos casos inflamatórios. “Por ser considerado um anti-inflamatório natural, o frio auxilia na recuperação da lesão, controlando o inchaço local e também a dor”, completa. A aplicação pode ser feita com uma Bolsa Térmica Gel. Saiba mais sobre terapias de frio e calor: http://www.mercur.com.br/noticias/visualizar/239/terapias-de-frio-e-calor-aliviam-lesoes-e-sintomas-inflamatorios-mas-como-usar-em-cada-situacao

 

Informações para a Imprensa:
Engaje Comunicação Inteligente
Fernanda Dreier, Gabriela Fritsch
(51) 3378.1136
mercur@engajecomunicacao.com

 

Galeria da notícia